truque de mestre

X MEN

X MEN

sábado, 5 de junho de 2010

O novo filme de José Joffily se passa no Departamento de Imigração de um aeroporto americano, onde Marshall, o chefe do Departamento comemora sua aposentadoria e seu último dia de trabalho.

Marshall resolve se divertir complicando a entrada no país de vários latino-americanos, - “mantive a idéia de que os atores são oriundos dos países dos personagens.” - Entre eles está Nonato, um brasileiro radicado nos EUA, dois poetas argentinos, uma bailarina cubana e um grupo de lutadores hondurenhos.

Anos depois, Marshall vem ao Brasil em busca de consciência. Em uma de suas bebedeiras conhece Bia, garota de programa que o ajuda nessa jornada em busca de redenção.

A trama se desenvolve através desses dois principais fragmentos: o departamento de imigração americana e o Nordeste brasileiro. O ritmo tenso conduz o final do filme, mas não satisfaz. O filme acaba com a sensação de não ter fim, por mais que possamos presumi-lo.

Olhos Azuis é um filme destemido! Há uma verdade que perpassa suas histórias e se apresenta sem nenhum vestígio de hesitação, forte e pungente!

Com atuações brilhantes, roteiro impecável e fotografia lindíssima, consagra-se com um trabalho primoroso!

“A idéia original do filme surgiu em 1998. Os filmes se ajustam à época, ao talão de cheques e as circunstâncias, no caso de "Olhos Azuis", sempre mantive a vontade de realizá-lo, pois gostava muito da história e dos personagens. Na versão original do roteiro, em um dos primeiros tratamentos, o filme se passava em diversos países: mostraria flashbacks de todos os latinos detidos na migração em seus países de origem. Mas isso tornou a produção muito cara”.

O personagem principal seria interpretado pelo ator Robert Foster. Ele estava completamente inteirado com o projeto, mas não poderia filmar naquele momento, pois estava comprometido com uma filmagem em Cingapura. Foi aí então que surgiu o David Rasche, um ator mais ligado a seriados e comédias.

Co-produzido junto com a Argentina, foi o grande vencedor do II Festival Paulínia de Cinema com seis prêmios, incluindo o de Melhor Filme.