truque de mestre

X MEN

X MEN

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011


Se eu falasse que não gostei, estarei mentindo, Sofia Coppola tem um estilo próprio de direção!

A estruturação do filme está em imagens e não em diálogos, o que o faz ser diferente do convencional. Aparentemente parece ser um filme bem vago, mas logo de cara, o filme traduz seu propósito em suas primeiras imagens: a rotina e o vazio compartilhando o mesmo momento do personagem central.

Uma história sem cabeça que não apresenta um meio e termina sem fim. SOMEWHERE não tem um propósito ou um guia bem estabelecido, assim como o protagonista. Um ator sem nenhum conteúdo, e que percebe a vida vazia em que persiste seus dias. Uma existência que consiste nos trabalhos decorrentes da carreira, as festas, o ócio e as mulheres. Mas mesmo nessa solidão, ele fica inerte em relação a isso.

É a relação com a filha (estrelada por Elle Fanning, irmã de Dakota Fanning), que muda o curso do personagem. É nesse momento, que temos o drama real e interessante, onde finalmente o pai sente pela declaração da filha. O filme mostra o quanto o personagem é vazio, dividindo o palco com o próprio filme que se torna mais vazio ainda.

Ganhador do Leão de Ouro no Festival de Veneza, segue um gênero CULT, é bonito, interessante, tem boas tiradas.

A trilha sonora é marcante e foi escolhida cuidadosamente pela diretora. Além de escrever e dirigir o filme, Sofia também assina a produção junto à G. Mac Brown e Roman Coppola. O filme contou com a produção executiva de Francis Ford Coppola.