truque de mestre

X MEN

X MEN

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009



O mais novo filme do aclamado cineasta espanhol Almodóvar, conhecido como diretor de atrizes, o criador de mulheres complexas e inesquecíveis disseca, pela primeira vez, o universo masculino e inova em Abraços Partidos, com a redenção do homem.

Nessa saga dilacerante de amor louco, fatalidade, ciúme e traição, Penélope Cruz - musa do diretor - interpreta Lena, uma aspirante a atriz que, depois de se tornar companheira de seu antigo chefe no inicio dos anos 90, consegue a chance de estrelar Garotas e Malas, a primeira comédia do diretor Mateo Blanco (Lluís Homar) depois de uma série de dramas.

Não há expressão de cinefilia mais pura e descomplicada do que ver a espanhola fazendo caras e bocas de Audrey Hepburn. Pra mim uma das cenas mais hilárias do filme!

Garotas e Malas, o filme dentro do filme, é um Almodóvar à antiga: releitura kitsch de comédias de relacionamento.

A trama avança até 2008, ano da morte do empresário milionário com quem Lena se casou, ponto de partida para nós espectadores para nos envolver mais uma vez na estética de Almodóvar. Neste momento já fomos apresentados aos personagens centrais que nos levam à essa história de amor, desejo, paixão, loucuras. Com sua linguagem própria, um dialeto único: universal e inconfundível!

Com suas narrativas prismáticas, iconografia pop, num contexto intelectual, com humor debochado, cores berrantes e cenas sublimes capazes de dissecar temas como o desejo, a paixão, a família e a redenção. É o banal transformado em extraordinário!

Ele fixa o caleidoscópio, estabiliza o seu vértice, não com a indolência formal dos acadêmicos, mas com a plenitude complexa dos mestres!

Por causa da narrativa de tom quase clássico, Abraços Partidos não foi uma unanimidade entre os críticos: O que aconteceu com o incendiário degenerado? Estaria fora de forma? Como o desastre que mudou a vida de seu protagonista, assim é Almodóvar: camaleônico! Esse é Almodóvar, meu ídolo: mais um vez recebendo meus aplausos de pé!

Encerro essa crítica com a seguinte frase do diretor/cineasta Almodóvar: "Alguém que não se entende com as pessoas dificilmente pode ser um bom diretor".