truque de mestre

X MEN

X MEN

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Algumas vezes não é necessário muito para se ter um bom filme. Personagens do cotidiano em situações que primam pelo comum, com uma leve pitadinha do extraordinário, por vezes bastam para encantar e emocionar uma platéia. É o caso de “Sempre ao Seu Lado”, que se não irá revolucionar o modo como vemos a sétima arte mas causa mais impacto junto ao público que muitos blockbusters por aí.

Remake do filme Hachiko Monogatari, sucesso de 1987, “Sempre ao Seu Lado”, mesmo sendo a versão americana do filme japonês, consegue te fazer chorar e muito! Então é bom preparar o espírito e alma por que o filme te envolve de maneira incrível nessa história de amizade verdadeira, além te fazer sorrir e refletir sobre o nosso dia-a-dia e as relações que realmente interessam.

O longa é uma adaptação de uma história real, que aconteceu no Japão no início do século. Hachiko é o nome de um cachorro da raça akita que ficou famoso em todo o país depois que apareceu em reportagens de jornais que contavam sua história de lealdade ao seu dono, um professor da Universidade de Tóquio. Todos os dias, Hachiko acompanhava seu amigo até a estação de trem e estava lá quando ele voltava para casa.

A história deste cachorro virou uma lenda no Japão e foi usada em escolas e casas para ensinar às crianças a importância lealdade entre amigos. Serviu também para despertar no país uma onda de criações de akitas, raça pura japonesa que estava cada vez menos popular. Há hoje na estação de Shibuya uma estátua de Hachiko, no lugar onde ele ficava esperando seu dono voltar.

Hachiko é achado em uma estação de trem pelo professor Parker Wilson interpretado lindamente por Richard Gere! Ao leva-lo para casa sua esposa Kate (Joan Allen) se recusa a adotar o novo morador logo de início mas logo é tocada pela cativante relação entre os dois.

Em sua primeira metade, diverte pela interação entre Hachi e Parker, jamais apelando para o humor barato ou situações mais extravagantes, sempre mantendo tudo bem simples e corriqueiro, justamente para fisgar o espectador. Já o foco da segunda parte da produção passa a ser na emoção, com Hachi roubando a cena de seus companheiros de tela humanos.
A direção é do sueco Lasse Hällstrom (Regras da Vida, Chocolate, O Vigarista do Ano), o filme conta também com Jason Alexander, o eterno George da série de TV “Seinfeld” como o bilheteiro da estação de trem onde Parker e Hachi se encontram, e Cary-Hiroyuki Tagawa, interpretando o amigo nipônico de Parker, Ken.

O grande trunfo do filme é a facilidade com que o público consegue se identificar com os personagens. O roteiro desta adaptação foi escrito por Stephen P. Lindsey e foca no cotidiano, na própria vida e na convivência entre Parker e Hachi, bem como com a família do professor e seus amigos, que ganham maior destaque a partir da segunda metade do filme. Com isso em mente, o diretor sueco aposta em uma narrativa mais clássica e em um visual familiar.

A trilha sonora, componente essencial e de incrível valia nesse filme, foi composta por Jan A.P. Kaczmarek.

Em tempos de tantos blockbusters, é muito bom ser surpreendida por um simples conto de amizade e lealdade capaz de tocar corações e rever seus valores e princípios. Um belo filme, com ótimas atuações!