truque de mestre

X MEN

X MEN

quarta-feira, 25 de março de 2015

VÍCIO INERENTE POR ALÊ SHCOLNIK


Baseado no romance de Thomas Pynchon, o filme segue os passos de Larry "Doc" Sportello, um detetive particular viciado em maconha que perambula pela Los Angeles de 1969, atrás do amor.

É o fim dos psicodélicos anos 60, a paranoia está tomando conta do dia a dia e Doc sabe que “amor” é só mais uma dessas palavras que está na moda no momento, assim como “viagem” ou “bacana”, que também estão sendo muito usadas por aí.

Com um elenco diversificado de personagens que conta com surfistas, traficantes, drogados, uma agiota assassina, policiais, um saxofonista trabalhando disfarçado, além de uma entidade misteriosa conhecida como Golden Fang, o filme apresenta um roteiro confuso com  estilo meio que noir, como se fosse uma brincadeira psicodélica.

Com diálogos rápidos que se atropelam muitas vezes, obsceno, insanamente irracional e por vezes, até meio complicado de entender, caso alguns minutos de projeção sejam perdidos. O humor do filme é seu ponto mais forte, talvez o filme mais engraçado do diretor.

A direção de Fotografia (ganhador do Oscar Robert Elswit “Sangue Negro”), o figurino (Maark Bridges,  vencedor do Oscar por “O Artista”) e Direção de arte estão de arrebentar junto à trilha sonora composta por Jonny Greenwood do Radiohead.

Mas diante de tudo o que mais impressiona é a atuação de Joaquim Phoenix, talvez um dos melhores atores destes tempos, em uma atuação de arrebentar.