truque de mestre

X MEN

X MEN

quinta-feira, 31 de julho de 2014



A combinação de dois cineastas, o mineiro Cao Rodrigues e  o pernambucano Marcelo Gomes resultou em um filme experimental de sensações com o tema solidão. Enquanto Juvenal representa a solidão do isolamento, Margô representa a solidão virtual. 

A estética já nos tira do conforto habitual do formato cinemascope. Tudo é projetado como se fosse uma foto de polaroide dos anos 70. Todo o filme é projetado na tela como um retângulo na vertical. 

O filme mostra uma narrativa mais lenta e os atores não são conhecidos do grande público, mas fazem um bom trabalho. A edição é bem feita e a fotografia em tom pastel dá uma leitura de falta de cor na vida dos personagens. Assim como a linha central da trama, o trem em Belo Horizonte, na capital mineira. O trem simboliza os caminhos percorridos, as idas e vindas e cada elemento usado pelos diretores em cena tem um significado para discutir sobre quem são aqueles personagens e que querem.

Esse filme vai agradar um público mais interessado em cinema experimental. 


Por: Andrea Cursino