truque de mestre

X MEN

X MEN

quarta-feira, 13 de abril de 2016

MENTE PERIGOSA POR ROMULO DE SÁ PEREIRA


Ancorado por um grande elenco, mesmo com algumas figuras atuando no automático (caso de Gary Oldman e seu diretor da CIA Quaker Wells, e de Tommy Lee Jones fazendo Dr. Franks), Mente Criminosa é incrivelmente eficiente quando se propõe a ser somente o que deveria ser, um thriller psicológico de espionagem e ação. E talvez esse sucesso já fosse esperado, já que o filme foi escrito pela dupla Douglas Cook e David Weisberg, dos noventistas "A Rocha" e "Risco Duplo". 

A abertura do longa que traz o espião Bill Pope (Ryan Reynolds) em uma perseguição entre gato e rato pelas ruas de Londres, deixa a impressão de que esse é mais um pastiche da Trilogia Bourne. Mais tarde, quando Pope é gravemente ferido e suas lembranças são transferidas para o maníaco Jericho Stewart (Kevin Costner), o que se espera é uma versão moderna de "A Outra Face", de John Woo, (filme em que os inimigos John Travolta e Nicholas Cage trocam seus rostos e passam a viver a vida um do outro), mas não é isso o que acontece. 

"Mente Criminosa" segue por um outro caminho mais original. A partir do segundo ato, o filme de Ariel Vromen ("O Homem de Gelo"), foca nos conflitos de Jericho, o maníaco violento que luta para afastar de sua mente o espião bem intencionado. 

O filme derrapa e, a partir daí, se torna totalmente desequilibrado, quanto entra em cena o componente emocional. A relação de Jericho com a família de Pope é totalmente inverossímil, e não de uma maneira boa, já que o filme se leva a sério. Não há o que Costner e Gal Gadot, que interpreta a esposa Jill Pope, possam fazer. A pressa com que é construída a relação põe tudo a perder, apesar do ótimo trabalho dos dois atores.