truque de mestre

X MEN

X MEN

quarta-feira, 13 de abril de 2016

O ESCARAVELHO DO DIABO POR ROMULO DE SÁ PEREIRA

É curioso como até hoje nenhum livro de Série Vagalume havia sido adaptado para o cinema. Afinal, a série de livros infanto-juvenil, a maioria deles envolvendo mistérios que eram solucionados pelos protagonistas adolescentes e jovens, marcou diversas gerações desde que foi lançada, em 1971. Mas eis que surge a versão cinematográfica de "O Escaravelho do Diabo,” um dos mais marcantes títulos da coleção, de Lúcia Machado de Almeida, adaptado para a tela grande por Melanie Dimantas e Ronaldo Santos e com direção do estreante Carlo Milani.

A história gira em torno de Alberto (Thiago Rosseti), que depois de ter seu irmão misteriosamente assassinado, parte numa investigação ao lado do delegado Pimentel (Marcos Caruso). Suas primeiras investigações levam a crer que há um assassino em série na pequena Vale das Flores. Seu irmão, assim como outros ruivos da cidade, são mortos após receberem um escaravelho pelos correios.

Paradoxalmente, a grande diferença entre livro e filme é, ao mesmo tempo, a grande força e grande fraqueza do longa metragem. No original, o protagonista Alberto é um estudante de medicina. Já no cinema, o personagem tem por volta de 11 anos. A mudança é uma força porque aproxima "O Escaravelho do Diabo" de aventuras de formação infanto-juvenil, algo como uma daquelas séries de mistério pré-adolescentes que povoam canais como o Gloob. É divertido ver as relações entre Alberto e os adultos, seu amor platônico pela amiga Raquel (Bruna Cavalieri) e também todas as questões envolvendo o contraste  da liberdade, da obediência e da subordinação na sua educação. 

Por outro lado, quando Alberto e o delegado Pimentel (Marcos Caruso) engajam no mistério central da trama, algumas situações beiram o inverosímel. Apesar de ser uma aventura infanto-juvenil, a seriedade de algumas passagens coloca em xeque a presença do garoto como a figura principal da investigação. Por assumir um tom mais sombrio, fica difícil acreditar em toda a liberdade que os adultos dão ao pequeno protagonista, que trafega por cenas de crimes, delegacias etc como se fosse o mais experiente dos detetives.